***TUBARÃO*** Uma Força Demolidora

“Surfcasting”
Boas pessoal (amigos, leitores e seguidores)
Desde já vos aviso, preparem-se para ler 😊
Esta foi uma jornada do caraças. Tudo começou como sempre, a logística de preparar o material, decidir qual o isco a levar, estudar bem as previsões e escolher a praia mais indicada para a ondulação que estava naquele dia.
Cheguei bem cedo como eu gosto e fui espreitar duas praias que combinavam com aquele mar, o primeiro spot não me agradou nada e o segundo pouco ou nada me agradou, mas gostei mais da cor da água e decidi ficar por ali, pois não gosto de dar muitas voltas porque no fim quase sempre acabo por ficar numa das primeiras praias que vi, quantas e quantas vezes isso me aconteceu, então essa é uma asneira que eu já não faço…

Bom… Mas vamos lá à acção, sim acção; porque como eu disse no início esta foi uma jornada do caraças. Com os dois primeiros lançamentos feitos e as canas já a pescar sentei-me um bocado a beber um café com um chocolate, quando vejo uma das canas dar um toque e vergando logo de seguida, mas esperam aí; vergou mas vergou como eu nunca tinha visto, aquilo parecia um comboio a puxar a linha, preguei um salto e lá se foi o café e o chocolate, agarrei-me à cana que mais um pouco saltava do suporte e ia mar adentro a reboque daquela coisa, nunca tinha sentido uma força assim e aquilo fez-me disparar o batimento cardíaco a uns 200%, acreditem que por momentos fiquei sem saber o que fazer, depois daquela força demolidora me ter levado talvez uns 100m de linha, assim como começou assim acabou e fiquei apenas com o peso da chumbada. 

Ainda sem saber ao certo o que tinha acontecido, recuperei e quando a pesca me chegou às mãos vi que aquela coisa me tinha cortado um 0,40 com os dentes. Pensando eu em voz alta claro (fonix mas o qué esta merda que anda aqui, será que foi uma anchova!!?) pois elas têm andado na zona, mas de repente  veio-me à ideia, epá isto deve mas é de ser os tubarões (tintureira) que andam aí, pois nesta altura do ano costumam encostar nestas praias…

Bom, mas o tempo passou e 2h mais tarde sem sinal de qualquer peixe estava eu muito bem descansado a comer uma batata-doce e nisto a mesma cana tóóómmmma lá vem o comboio outra vez, olhem que eu não sou de ir a correr para a cana, gosto de ver o peixe bater e ao mesmo tempo vou andando nas calmas em direcção à mesma, a não ser que haja pedras no pesqueiro, mas desta vez preguei um salto e lá se foi a batata-doce pó caneco também, agarro-me à cana e este parecia ainda maior do que o outro, começo a suar e as minhas pernas tremiam que nem varas verdes, com o drag apertado o suficiente para um 0,24 que usava naquele dia, aquela força demolidora teimava em não abrandar e quase me vazava o carreto, de um momento para o outro deixei de sentir o peixe e agora já sabia o que tinha acontecido, recuperei e claro que a linha estava corta pelos dentes daquela coisa.

Naquele momento senti-me um pouco frustrado para não dizer muito, sentei-me cerca de vinte minutos a falar sozinho e a fumar um cigarro e outro e mais outro e só depois é que fui fazer um estralho novo mas desta vez com 0,50 que era o mais grosso que tinha comigo neste dia…

Tudo ok e canas na água a pescar, entretanto já tinha passado mais um par de horas e nem sinal de peixe, pudera com aqueles predadores na zona nem um peixe que se aventurava a passear naquela praia, só se fosse algum camicase  😊 

A noite estava calma e serena, não se passava nada, eu pensava em sei lá no quê e quando olho para a cana da esquerda que ainda não tinha dito nada a noite toda, estava completamente dobrada (Óhh minha mãezinha, lá vem o comboio outra vez) pensei eu em voz alta e mais alguns palavrões pelo meio, corri para a cana e quando lhe pego o carreto zunia que nem um pião, pouco depois sinto uma pancadinha estranha e a bobine parou de rodar, coisa que nunca tinha sentido e acendo a luz para ver o que tinha acontecido, quando olho para a bobine estava completamente vazia (Áhh mãe qué iste móóó, NO LINE, onde é que eu já vi isto, agora quero ver como é que me safo desta) peguei na cana e o comboio continuava a puxar, a única coisa que eu podia fazer naquele momento era acompanhar o bicho e lá fui andando atrás do “comboio” entrando um pouco dentro de água tentando aguentar aquela força demolidora, linha para levar já não tinha, portanto das três uma; ou cortava com os dentes, ou partia tudo ou então vinha para terra custasse o que custasse. 

Os minutos foram passando e a linha sempre em tensão, havia momentos em que parecia que a pesca estava areada, deu-me a sensação que isto é bicho que se “deita” no fundo e eu com uma linha 0,24 não podia forçar em demasia, bom mas aos poucos aquela coisa lá começou a ceder, quando ele aliviava eu aproveitava e recuperava uns metros, volta e meia ele tirava-me dois ou três metros de linha mas logo de seguida eu recuperava cinco ou seis e assim lá fui conseguindo dar a volta ao resultado, mas sempre à espera do momento em que o velhaco me cortasse a linha ou que o nó do chicote rebentasse.

Entretanto já tinham passado quase trinta minutos e eu naquele momento só queria ter um bracinho direito suplente para trocar, pois as dores no braço já eram tantas que não sabia como haveria de agarrar na cana.
Com o Tubarão a entrar na zona de rebentação surgiam agora mais dois problemas, o nó do chicote que é o ponto mais frágil da linha e as escoas que não ajudavam em nada, sem ninguém na praia para me ajudar tive de me desenvencilhar sozinho, tentem imaginar o que foi aquilo (aguenta bracinho que já tá quase) eu só queria pôr os olhos no responsável por tal batalha e quando senti o nó do chicote a passar a ponteira pensei: (é agora ou nunca) aproveitei a ajuda das ondas que naquele momento estavam a meu favor e enrolei o máximo que pude, acendi a luz e lá estava o Tubarão com um palmo de água a tentar apanhar boleia da escoa, nem sabia como pegar naquilo para o puxar para cima, agarrei-o pelo rabo e arrastei-o pela areia até uma zona de segurança onde me deitei alguns minutos a olhar para aquele que foi um adversário formidável, não sei qual dos dois estava mais cansado, se ele ou eu. 

Agora tinha de o arrastar até à “base” onde tinha as minhas coisas, acho que me tinha dado menos trabalho se tivesse ido buscar a tralha toda para onde estava o velhaco, porra eu queria apanhar um peixe grande mas também não era preciso ser uma coisa assim…

Não sendo eu nenhum especialista em tubarões depois disto andei a pesquisar e cheguei à conclusão que lhe chamam vários nomes, tubarão tintureira ou tubarão azul, em outros países chamam-lhe tubarão bico doce, tubarão de focinho e tubarão vitamínico.
Neste dia o material foi posto à prova sendo levado ao seu limite máximo.
Depois disso houve tempo para tudo e mais alguma coisa, tirei umas fotos, disse palavrões, admirei-me, ri-me eu sei lá mais o quê…

Agora tinha outro problema, era levar o bicho até à carrinha, o Tubarão tinha um lombo mais grosso do que a minha coxa, não foi tarefa nada fácil e tive de fazer duas viagens, metê-lo na geleira claro que era impensável, com uma geleira tão grande que eu próprio fiz para meter peixes compridos e agora o raio do Tubarãonão me cabe na geleira  😂

Agora imaginem se tivesse apanhado os três 😊
Uma coisa é quase certa, este vai ficar para a história, foi, é e será certamente o maior peixe da minha vida, media 1,62cm e pesava 21 Kg.
Assim sendo este é agora o meu novo recorde.

Bom mas depois daquele estrafego todo deu-me cá uma foméca que não vos digo nada, quando cheguei à carrinha lá tive de fazer uns ovos mexidos com salsichas para repor energias, um gajo tem de comer alguma coisa se não depois como é que tenho força pa puxar Tubarões 😂
 Pessoal aproveito para informar que vou fazer uma paragem de três ou quatro meses como já vem sendo hábito nesta altura do ano, quem me segue há já uns anos sabe que eu não gosto de pescar no verão por vários motivos sendo o calor e a confusão no Algarve o principal motivo.
 Termino assim esta temporada.
Tive dias bons, tive dias maus, tive dias de frustração total, tive noites húmidas e frias, geladas e desagradáveis, tive noites de não apanhar nada mas que só de estar lá já valeu a pena pelos cheiros, pelos sons e pela sensação que isto tudo junto provoca em mim, o escuro, o som do silêncio da noite, sair do saco cama às 3/4/5 h da madrugada com temperaturas negativas só porque estava na hora da maré e por vezes não apanhar nada, são tudo coisas que fazem parte e que me fazem sentir vivo, não me perguntem porquê porque eu nem sei responder…
Saúde e força aí pessoal.

— ATENCIÓN: El artículo pertenece al BLOG de «Lobo do Mar» —


Deja una respuesta

Su dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados *

Puedes usar estos HTML etiquetas y atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

info@donpesca.com